PUBLICIDADE
HomeNotíciasDicas
Compartilhar

Guia de compra KBB: Ford EcoSport

De olho em um EcoSport usado? Nós listamos os prós e contras do SUV

No último Guia de Compra Kelley Blue Book trouxemos o Volkswagen Golf, primeiro hatch médio no nosso Guia. Agora, falaremos de um modelo que praticamente inaugurou o segmento de SUVs compactos, o Ford EcoSport. Atualmente o modelo não consegue mais ser tão competitivo quanto já foi, mas ainda tem seu público cativo e pode ser uma opção interessante no mercado de usados.  

Se você ainda não conhece nosso Guia de compra, já trouxemos carros como Volkswagen Polo, Fiat ArgoPeugeot 208, Honda Fit, entre outros. Aqui, tiramos a limpo preços sugeridos, além de qualidades e defeitos de opções no mercado. Outros SUVs que passaram por aqui foram o Jeep Renegade e o Honda HR-V.

DESEMPENHO

CONFORTO INTERNO

EQUIPAMENTOS E TECNOLOGIA

PRÓS E CONTRAS

QUAL VERSÃO COMPRAR?

DESEMPENHO  

Neste guia focaremos na versão mais recente do EcoSport, mais precisamente na linha 2018, se estivermos falando de usados (muitas informações ainda valem para os 0 km, como a motorização). Foi nessa linha, lançada no segundo semestre de 2017, que o SUV da Ford trocou os motores (não foi a primeira vez) e abandonou o problemático câmbio automatizado de dupla embreagem Powershift. 

Saiu de cena o 1.6 Sigma em favor do 1.5 Dragon com 137 cv e 16,2 kgfm quando abastecido com etanol e 130 cv e 15,6 kgfm quando utilizado gasolina. Se olharmos para a média do segmento, são bons números. Além disso, boa parte do torque é entregue em baixas rotações, o que favorece o uso na cidade. 

Confira o preço KBB de todas as versões do Ford EcoSport

Entre as soluções técnicas mais notáveis deste motor estão construção em alumínio, coletor de escape integrado, bomba de óleo variável e duplo comando de válvulas. Com isso, associado ao câmbio automático de seis marchas, o motor é capaz de fazer 7,1 km/l na cidade e 8,9 km/l na rodovia, em ambos os casos abastecido com etanol. Quando o SUV recebe gasolina, o consumo é de 10,4 km/l e 12,8 km/l nos mesmos ciclos. 

Porém, a Ford não esqueceu quem deseja mais potência e um desempenho ainda melhor. O 2.0 Direct Flex tem 170/176 cv de potência a 6.500 rpm e 20,5/22,5 kgfm de torque a 4.500 rpm (gasolina/etanol). Esses números garante o posto de SUV compacto mais potente do mercado brasileiro. Vendido somente com câmbio automático, esse motor faz 6,1/8,3 km/l com etanol na cidade/estrada e 8,8/12,0 km/l com gasolina, segundo o Inmetro. 

CONFORTO INTERNO

O EcoSport representa quase tudo que o consumidor deseja em SUV compacto, mas aqueles lançados lá atrás. Atualmente, perde demais para os rivais, especialmente no que diz respeito ao espaço. No máximo quatro pessoas conseguem viajar no Ford e ainda haverá dificuldades dependendo do tamanho dos ocupantes da dianteira. 

E mesmo se conseguir levar muita gente, o espaço do porta-malas não é dos melhores. Está longe dos principais do segmento e só supera o Jeep Renegade. O volume é similar ao dos hatches compactos mais novos. Outro ponto fraco é o acabamento, que até ganhou um disfarce na linha 2018, graças a uma cobertura macia, mas segue com peças desalinhadas. 

Os porta-objetos são suficientes, mas não dá para tratar como destaque. Algo que se destaca é a central multimídia, que tem conectividade com Apple CarPlay e Android Auto, além de chamada de emergência em caso de acidente.  

EQUIPAMENTOS E TECNOLOGIA

De série, as unidades 2018 possuem rodas de liga-leve de 15 polegadas, grade dianteira com controle ativo, sete airbags, AdcanceTrac com RSC (anticapotamento, controle de estabilidade e tração), assistente de partida em rampas, sensor de pressão de pneus, sensor de estacionamento traseiro, SYNC 3 com tela de 6.5 polegadas sensível ao toque com Android Auto e Apple CarPlay, duas entradas USB, volante revestido em couro, piloto automático, ar-condicionado e direção, vidros, travas e retrovisores elétricos.

A partir da FreeStyle adiciona rodas de liga-leve de 16 polegadas, sistema inteligente do porta-malas, câmera de ré, tela de 8 polegadas e GPS para o sistema multimídia SYNC 3, luzes diurnas de LED e ar-condicionado automático e digital.

A topo de linha Titanium conta ainda com motor 2.0 Flex de 176 cv, rodas de liga-leve de 17 polegadas, sistema de monitoramento de ponto cego e alerta de tráfego cruzado, bancos revestidos em couro, sistema de partida sem chave, sensores de chuva e luminosidade, retrovisor eletrocrômico, faróis de xenon e teto solar elétrico.

PRÓS E CONTRAS

Vantagens Desvantagens
Desempenho Consumo 2.0
Consumo 1.5 Espaço
Itens de série Acabamento
Conectividade Idade do projeto
Itens de série   

QUAL VERSÃO COMPRAR?

Se você quer pagar pouco, a receita é pegar a versão SE manual. Essa configuração tem preço médio de R$ 55.130 no mercado de usados, portanto, mais barato que diversas configurações de hatches compactos. Se preferir com câmbio automático, que é sempre melhor aceita na hora da revenda, a SE sai por R$ 62.488. 

A versão com melhor custo-benefício é a FreeStyle automática que conta com bom pacote de equipamentos e sai por R$ 67.044. Caso deseje ainda mais itens de série e potência, a configuração Titanium custa, em média, R$ 72.673.

Confira nossa avaliação da Ford EcoSport

 

Compartilhar
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Saiba agora quanto vale seu carro novo ou usado

Hatchback
Sedã
Picape
SUV/Crossover
SW/Perua
Van/Minivan
Cupê
Conversível
Luxo
Hibrido/Elétrico
PUBLICIDADE

Encontre o Preço do Seu Carro