PUBLICIDADE
HomeNotíciasNovidades
Compartilhar

Renault Kwid elétrico é batizado de City K-ZE em Xangai

Aparentemente concebido por Carlos Ghosn, modelo mostra como seria um Kwid com painel inteiramente digital e movido a baterias

Carlos Ghosn, agora envolvido em problemas com a Nissan, sempre foi um entusiasta de carros elétricos. Ele é a mente por trás do Nissan Leaf e, aparentemente, também foi quem concebeu o elétrico para todos da Renault. Ainda estávamos em 2017 quando ele prometeu que o futuro elétrico baseado no Renault Kwid seria vendido também no Brasil. Por isso que os clientes brasileiros têm de ficar tão atentos ao novo City K-ZE. Revelado nesta terça (16) no Salão de Xangai, ele é o elétrico de que o executivo falava em 2017. Um que não deveremos demorar a ver também nas ruas brasileiras, se os planos continuarem os mesmos.

O Kwid elétrico ainda pode ser reconhecido como tal, apesar do novo nome. Em boa medida pela carroceria, que lembra a de um SUV. E que, graças ao Inmetro, pode ser chamada assim aqui no Brasil, ainda que não o seja. Mas o interior e a dianteira estão um bocado diferentes. Repare que o K-ZE tem apenas faróis diurnos de LED na parte superior. Os faróis, mesmo, estão localizados abaixo destes DRLs, em um esquema de iluminação de dois andares, como eles são chamados agora. E são muito comuns em modelos da Hyundai e da Citroën.

Renault City K-ZE

O vão livre do City K-ZE é de 15 cm, ou 3 cm mais baixo que o do Kwid, o que mostra o efeito do peso das baterias de íons de lítio. Lamentavelmente, a Renault não divulgou dados de autonomia nem de capacidade da bateria. Ou de peso do City K-ZE, mas ela diz que ele leva apenas 4 horas para ter 100% de recarga em uma tomada de 220V, o que mostra que o pacote de baterias é pequeno. Em um sistema de carga rápida, o modelo leva 50 minutos para ter 80% da carga total. A única informação técnica prestada pela marca, além do vão livre, é que o K-ZE tem 300 litros de porta-malas. Ou 10 litros a mais que o Kwid.

Renault City K-ZE

Outra novidade do K-ZE em relação ao subcompacto da Renault é o painel. Ele é totalmente digital, mas não espere por uma tela configurável em TFT. Ele só não tem ponteiros. Do lado esquerdo fica um econômetro, para orientar o motorista a dirigir de modo mais comedido, que preserve a carga das baterias. À direita fica o indicador de marchas e, mais abaixo, o nível de carga do K-ZE. O indicador de marchas talvez fosse desnecessário, já que o modelo tem um seletor, no console central, que mostra exatamente a mesma coisa. São 3 opções: D (de Drive), N (de Neutro) e R (de Ré). A central multimídia traz uma tela de 8 polegadas, com wifi 4G.

Renault City K-ZE

Ainda não foram divulgados os preços, mas a Renault se gaba de ter um carro do segmento A totalmente elétrico e global, o que reforça a ideia de que ele será vendido no mundo todo. Inclusive no Brasil. Por ora, tudo que Ghosn tinha prometido se cumpriu. Aguardemos para saber mais sobre a parte técnica do modelo e, mais do que isso, sobre quanto isso vai custar.

Compartilhar

Notícias Recentes

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Saiba agora quanto vale seu carro novo ou usado

Hatchback
Sedã
Picape
SUV/Crossover
SW/Perua
Van/Minivan
Cupê
Conversível
Luxo
Hibrido/Elétrico
PUBLICIDADE

Encontre o Preço do Seu Carro