PUBLICIDADE
HomeNotíciasMercado
Compartilhar

Brasil e Argentina fecham acordo para livre comércio de carros e autopeças

O acordo prevê que apenas em 2029 será possível exportar e importar sem limites

Brasil e Argentina assinaram um acordo que prevê livre comércio de carros entre os dois países a partir de 2029. Apesar da crise econômica vivida na argentina com forte queda nas exportações brasileiras para o vizinho, os "hermanos" ainda são o principal cliente brasileiro em termos de vendas para o exterior. 

O novo acordo entrara em vigor daqui um mês, mas enquanto o livre comércio não estiver valendo, ou seja, daqui 10 anos, o chamado sistema flex, introduzido em 2016, seguirá valendo. 

Pelo acordo, as exportações de carros e autopeças de um país do outro não podem ser uma vez e meia maior do que o parceiro importa do vizinho. Ou seja, a cada US$ 1,5 que alguém exporta, é permitido importar US$ 1. Apesar disso, agora há uma programação para aumentar o nível de exportações gradualmente até o livre comércio. 

A partir do momento que o acordo começar a valer, a cota sobe para US$ 1,7 de exportação a cada US$ 1 importado. Em julho de 2025 o numero chegará a US$ 2 para exportação e ficará nesse valor até junho de 2027. A partir de julho de 2028 até junho de 2029, o valor permitido será de US$ 3 para exportação a cada dólar importado. Em julho de 2029 começará a vigorar o livre comércio. 

Nível de nacionalização

O índice de nacionalização, ou seja, a porcentagem de peças nacionais daquele veículo, também vai cair. Atualmente é necessário 60% de nacionalização para um carro ser exportado para a Argentina com tarifa zero, o novo acordo prevê 50%. Essa queda não valerá para autopeças. Para elas, o índice de conteúdo regional será mantido em 60% e, depois de 7 anos, passa a valer o que foi negociado pelo acordo Mercosul-União Europeia.

Híbridos e elétricos

O crescimento do interesse por híbridos e elétricos fez os países negociarem uma cota específica. A partir de janeiro de 2020 será possível importar ou exportar até 15 mil unidades. A cota crescerá 3.5000 unidades por ano até chegar ao total de 50 mil unidades até 2029. 

Premium

Carros premium também terão cota de comercialização, mas com índice de nacionalização menor: 35%. Segundo as partes, isso acontece por terem maior conteúdo tecnológico e, portanto, requerem maior quantidade de peças importadas. 

Por fim, o presidente da Argentina, Maurício Macri, comemorou o acerto. "Solucionamos o principal problema com nosso grande sócio comercial. Em 2020 deveria começar o livre comércio automotivo. É melhor para a nossa indústria acordar 10 anos de adequação e estabelecer prazos de integração até 2029", declarou através de sua conta no Twitter. 

Compartilhar
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Saiba agora quanto vale seu carro novo ou usado

SUV/Crossover
Sedã
Picape
Hatchback
SW/Perua
Van/Minivan
Cupê
Conversível
Luxo
Hibrido/Elétrico
PUBLICIDADE

Encontre o Preço do Seu Carro